SR

SR

player

SE A RADIO NÃO TOCAR OU O PLAYER ESTIVER PARADO - CLICK AQUI PARA ABRIR O MINI PLAYER

Rota 33

Rota 33 A Radio do Rock

GMax

Mulheres dominam o sertanejo e alcança as paradas.

Artistas como SIMONE E SIMARIA, MAIARA E MARAÍSA, MARÍLIA MENDONÇA, PAULA MATTOS, 
cantam músicas sobre amor, traição e bebedeira

De uns tempos para cá, porém, um movimento começou a tomar forma no interior do país. E despontou nas paradas de sucessos. Na lista das 100 músicas mais tocadas no Brasil.

Pouco conhecidas no Sudeste, elas disputam espaço com Marco & Bellutti, Jorge & Mateus, Henrique & Juliano, entre outros astros de um universo masculino, jovem e festeiro. Cantando o amor, a traição, a sofrência, a farra e a bebedeira, Simone & Simaria (“Meu violão e nosso cachorro”), Maiara & Maraísa (“10%”) Marília Mendonça (“Sentimento louco”) e Paula Mattos (“Quem vê cara não vê coração”) trazem novos ares a um cancioneiro que fala, com sotaque do interior, de um Brasil cada vez mais urbano e acelerado. Segundo o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), Marília também é uma das compositoras que mais arrecadaram direitos autorais em 2015, com “Calma”, gravada por Jorge & Mateus; e “Faça ela feliz (Cuida bem dela)” e “Até você voltar”, ambas por Henrique & Juliano.

Maiara e Maraísa - 
As gêmeas de 28 anos, nascidas em São José dos Quatro Marcos (MT), cantam desde pequenas, mas foi a composição que as fez ser notadas por expoentes do novo sertanejo como Jorge & Mateus e Cristiano Araújo, que gravaram, respectivamente, “Prisão sem grade” e “Caso indefinido”.

Independentemente de ser mulher, o que faz a dupla é o repertório — prega Maiara. — Era difícil, no mundo masculino do sertanejo, achar uma música que falasse da nossa realidade, por isso começamos a escrever a nossa história. Quase sempre o que chegava eram letras enaltecendo os homens.

Uma das exceções no repertório da dupla foi justamente “10%”, de Gabriel Agra e Danilo Dávilla (“Tô escorada na mesa/ confesso que eu quase caí da cadeira/ e esse garçom não me ajuda/ já trouxe a 20ª saideira”).

Não curto muito esse trem da cachaça, mas minha irmã é mais espertinha e se apaixonou pela música — conta Maiara.

Simone e Simaria - 
Temos alguns anos de sucesso no Nordeste, cantando forró, e agora, com o “Bar das coleguinhas”, conseguimos atingir outras partes do país — festeja Simone Mendes, 33, que canta com a irmã, Simaria, 31. — O sonho do nosso pai era nos ver cantando sertanejo. E desde que começamos a fazer esse segmento de 20 minutos (de sertanejo) no show, a coisa mudou, começamos a ser chamadas para fazer TV e cantar em outras partes do Brasil.

Simone & Simaria começaram a cantar ainda crianças, em Uibaí, na Bahia, onde nasceram. Percalços financeiros (e a morte do pai) as levaram para Mato Grosso e São Paulo, onde Simaria (“o maior talento para composição da dupla”, diz a irmã) passou a trabalhar com Frank Aguiar.

Essa modernização que o sertanejo sofreu nos últimos anos pegou do forró. Sertanejos e forrozeiros passaram a gravar músicas uns dos outros — conta Simone. — Nossas letras falam das coisas pelas quais as pessoas passam, é o que o povo quer ouvir.

“Meu violão e o nosso cachorro” foi feita por Simaria com o parceiro Nivardo Paz “num momento de sofrência dos dois”, conta Simone. É o maior sucesso do DVD “Bar das coleguinhas”.

Logo depois de terem feito a música, eles começaram a chorar, porque viram como ela era forte — recorda-se a cantora. — Nossas músicas não são só direcionadas às mulheres, às vezes cantamos como um homem. Porque hoje em dia, a mulher está pior do que eles. Ela diz que vai fazer unha e, quando você vê, está saindo para trair o marido.

Marília Mendonça aparece na lista dos compositores que mais arrecadaram em 2015 - 

Aos 20 anos, Marília Mendonça é conhecida como a “nenenzinha” da turma. Nascida em Cristianópolis (GO), ela começou a compor aos 12.

Eu cantava na igreja, mas não era tão boa naquilo. Então, comecei a escrever num caderninho as minhas histórias com namoradinhos e entrei para uma aula de violão. Com os quatro acordes que aprendi fiz minha primeira música. Era “Minha herança”, que foi gravada pela dupla João Neto & Frederico — conta. — Sempre tive vontade de cantar, mas tinha muito medo de acabar fazendo uma carreira de um CD só.

Autora do hit “Faça ela feliz (Cuida bem dela)”, de Henrique & Juliano, Marília lançou seu primeiro DVD só em 2015:

Eu sabia que tinha que conquistar as mulheres, são elas que lotam os shows de sertanejo. Preciso que elas se identifiquem com as músicas, dizer o que elas querem ser, como querem se comportar.

Paula Mattos - 
Hoje há menos barreiras do que na época da Roberta Miranda e na da Paula Fernandes. O mercado do sertanejo veio se abrindo para as mulheres no último ano, a gente tem que aproveitar — observa Paula Mattos, artista nascida em Campo Grande (MS) há 26 anos. — Componho desde os 12 anos e canto desde os 15. Minhas músicas não são femininas, não é só papo de mulher ou papo de homem, é geral. Não fico pensando no artista para quem vou compor, eu só deixo a música vir. Não tem tanta diferença, você tem que falar a sua verdade.

Gravada por Gusttavo Lima (“Doidaça”), Marcos & Belutti (“Irracional”) e Henrique & Juliano (“Separa, namora”), Paula dá os seus primeiros passos na carreira de intérprete com muita cautela.

A sofrência está em alta, mas tem que tomar cuidado. Acho que a mulher tem que se valorizar, ser feliz. Ela quer curtir, ela quer beber, quer viver uma sofrência legal — diz.

Fonte: Internet

ACESSOS OUVINTES